23/06/2009

Festa Junina - Organize a Sua!




Boa tarde!!!
Eu sei que Organização não é o assunto desse BLOG, mas do outro: www.flyrobrasileira.blogspot.com, mas como o outro é só a tradução dos DOCs FLYLady, optei por postar por aqui algumas sugestões e buscar a origem das Festas juninas!!
Aqui na USP de Ribeirão, até os meus 7 anos tínhamos Quermesse no Ginásio e na Colônia dos Técnicos uma Senhora pagava uma promessa todo ano fazendo uma grande Festa junina, com uma Fogueira que dava gosto... que saudades eu sinto.. do cheiro da fumaça, da pipica quentinha, dos amendoins, era bem simples, nem tinha cachorro quente... e as quermesses da escola?? Que delícia o Chocolate Quente e o medo de ser pega na cadeia - bem....
Devido a esse meu amor incondicional às Festas Juninas e ser em uma que conheci o Anjo Amado, estou eu aqui, dando uma mãozinha para quem quer fazer uma.
Fiz um apanhado geral em 3 Sites, estão citados, tem algumas músicas, como dançar a quadrilha e um casamento...
As receitas estão linkadas, seria uma injustiça com os Sites e conosco, perderíamos a oportunidade de fazer uma viagem culinária....
Viva São João!!!!

Nhá-história do arraiá

Desde antes de Cristo já havia festa no mês de junho e julho, acendiam-se fogueiras para saudarem o verão europeu, até que o catolicismo fundiu as comemorações pagãs ao aniversário de São João dando origem assim às hoje conhecidas festas juninas.

Antes de Cristo já havia festa de São João... com outro nome. Eram as fogueiras que saudavam a chegada do verão Europeu. Até que, no século VI, o catolicismo associou essas celebrações pagãs ao aniversário de São João. No século XIII, os portugueses passaram a comemorar também as noites de São Pedro e Santo Antonio. No Brasil, as festas são populares desde 1583.
Por Marcelo Affini

A fogueira de São João nasceu antes de são João. Quando o Vaticano instituiu, no século VI, o dia 24 de junho para a comemoração do nascimento daquele que batizou Cristo, os povos europeus já celebravam, com grandes fogueiras, a chegada do sol e do calor. Em 58 a.C., quando o imperador romano César conquistou a Gália (França), os bárbaros já comemoravam o solstício do verão, no dia 22 ou 23 de junho - o momento em que o Sol pára de afastar-se (solstício vem do latim e significa sol estático) e volta a incidir em cheio sobre o hemisfério norte. Os cultos pagãos eram rituais de abundância e fertilidade, diz a professora maria Montes, antropóloga da Universidade de São Paulo. Havia sacrifícios de animais e oferendas de cereais para afastar os demônios da esterilidade, das pestes agrícolas e da estiagem. O cristianismo, na verdade, apenas converteu uma tradição pagã em festa católica.
Até hoje, as tradições pagãs e cristãs convivem. A seita uika, inspirada nos antigos celtas (povo que dominou ooeste da Europa no primeiro milênio antes de Cristo) acende grandes fogueiras ao redor do mundo, no solstício do verão europeu. no Brasil, a Uika promove comemorações místicas, com mais de 500 pessoas, no dia de São João, em São Tomé das Letras (MG) e Mauá (RJ). Na Espanha, as Hogueras de San Juan são uma das tradições mais cultivadas, especialmente na Catalunha.
Em Portugal, as comemorações foram ampliadas no século XIII, incluindo o dia de nascimento de Santo Antonio de Pádua (que nasceu em Portugal mas morreu na Itália, no dia 13 de junho de 1195), e o da morte de São Pedro, em 29 de junho. Transportadas para o Brasil colonial, as festas pegaram entre índios e escravos. Descrevendo as celebrações católicas assimiladas pelos índigenas, o jesuítas Fernão Cardim escreveu em 1583, em seu Tratado da Terra e da Gente do Brasil: A mais alegre é a das fogueiras de São João, porque suas aldeias ardem em fogo e, para saltarem as fogueiras, não os estorva a roupa, ainda que algumas vezes chamusquem o couro.
Com a chegada da família real portuguesa, que se transferiu para o Brasil fugindo de Napoleão, na Europa, as festas juninas tomaram novo rumo. Junto com os 15 000 aristocratas que desembarcaram no Rio, em 1808, veio a contradança (originada nas country-dances, bailes camponeses da Normandia e da Inglaterra) que animava as festas da realeza. Era uma dança de casais que trocavam de pares. Não demorou muito, as contradanças saíram dos salões nobres para as festas populares. Casamomentos, batizados, festas juninas, festas de padroeira e muitas outras passaram a ser comemoradas com a dança francesa.
No final do século XIX surgiram formas mais modernas e urbanas de dançar, como a polca, o maxime e lundu, e as quadrilhas foram desbancadas. Entretanto, permaneceram na zona rural, onde a população é mais conservadora. A partir de 1930, quando o nacionalismo de Vargas estimulou a busca de uma identidade cultural brasileira, a vida rural foi revalorizada. Segundo o antropólogo Renato da Silva Queiroz, da USP, junto com a temática do homem do campo surgiu a dança caipira que nada mais é do que a quadrilha de origem aristocrática com andaptações.
Hoje, a evolução segue a direção do espetáculo. Segundo o antropólogo Ricardo Lima, da Funarte (Fundação Nacional da Arte), no Rio de Janeiro, há mais de 750 quadrilhas monumentais no estado. São grupos de encenação que vestem roupas caríssimas, imitam os trajes das contradanças franceses do século XVIII e aproveitam as quadras de escola de samba para ensaios, conta Lima. As novas quadrilhas usam, cada vez mais, temas como enredos de carnaval, adotam alegorias e dançam ao som de música sertaneja e música funk. Dentro em pouco, teremos a techno-quadrilha.

Fogos espantam maus espíritos
Bombinha, rojão, morteiro, estalinho, cabeça-de-negro, estrelinha, puff e buscapé - vale tudo. O fósforo de cor é um palito de 10 cm de comprimento revestido com massa de pólvora, óxido de ferro, terra refratária e corantes que depois de aceso, provoca faíscas prateadas ou coloridas.

A trança do pau-de-fitas
Dança em que os pares procuram trançar as fitas presas no alto de um mastro de 4 metros de altura. Homens e mulheres ziguezagueiam em volta do mastro, segurando a fita com a mão direita (eles) e com a esquerda (elas), ao som animado do sanfoneiro.

Jogo de argolas
A idéia é levar para casa os objetos encestados pelas argolas. Com o fim da troca direta entre os agricultores surgiram jogos e passatempos nas festas como a pescaria e o tiro ao alvo para o entretenimento. E para arrecadar fundos para a Igreja Católica.

Comilança e bebedeira na roça
Milho cozido, pamonha, canjica, cocada, bolo de fubá, pipoca, amendoim torrado e pé-de-moleque fazem a festa. O popular quentão, uma infusão quente e conservada no fogo, de cachaça e água, temperada com gengibre e canela, faz a cabeça. Sai debaixo: a ressaca é braba.

A alma da festa
Para pagãos, a fogueira espanta os maus espíritos; para os cristãos, é um bom presságio. Essa da foto, com 22 metros de altura, é feita, todo ano, em Osasco (SP), com 150 toras de eucalipto, e queima de cima para baixo. Pode durar uma semana, mas os bombeiros apagam antes.

O casório
O casamento é o maior evento social da vida rural brasileira. Reúne as famílias, os amigos, os compadres e os noivos, sob as bençãoes do padre e da igreja. O escritor carioca Martins Pena dedicou-lhe duas peças clássicas: O Casamento na Roça (1840) e Festa de São João (1845).
O balão ia subindo
O Balão surgiu para levar pedidos de graça dos homens para São João. Mas virou crime, em todo o Brasil, em 1965, segundo o artigo 26 do Código Florestal e o artigo 28 da Lei das Contravenções Penais de 1941. Dá cadeia. Eles provocam graves incêndios.

Pau-de-sebo
Tronco de árvore, de 3 a 6 metros de altura, lixado e untado com sebo animal. No topo, são colocadas prendas. Quem conseguir escalar o mastro escorregadio, leva. Na escalada, o principal fator de sucesso é a força das mãos, que desgasta o sebo.
Os santos padroeiros
Três padroeiros inspiram a tradições portuguesa e brasileira
São João Batista
Nascido em 24 de junho, primo de Cristo e precursou do Messias.O catolicismo associou sua tradição à festa pagã da fogueira. Assim, segundo a lenda, Isabel, a mãe de São João, teria anunciado o nascimento do filho à irmã, Maria, mãe de Jesus, acendendo uma fogueira em clima de um morro. A fogueira virou bom presságio. São João foi degolado por ter denunciado o adultério de herodes com a cunhada, Salomé.
São Pedro
Morto em 29 de junho. O primeiro dos apóstolos , segundo o Evangelho. Era considerado um homem de temperamento impulsivo, mas leal, expansivo e generoso. Morreu crucificado sete anos depois de Cristo. Acredita-se que seu corpo foi enterrado exatamente onde hoje se segue a basílica do Vaticano, em Roma. Foi o primeiro papa. É objeto de devoção em Portugal.
Santo Antônio de Pádua
Morreu em 13 de junho, em Pádua, Itália, aos 36 anos. Nasceu em Lisboa, Portugal, em 1195. A tradição popular lhe atribui caráter brincalhão e a fama de ser um milagroso casamenteiro, venerado pelas moças solteiras. É o santo a quem se recorre para achar objetos perdidos. Como santo português, no século XIII foi incorporado às comemorações juninas em Portugal e trazido pelos colonos para o Brasil.
Mesmo as Festas Juninas terem se tornado de Perfil Católico, sou fã dessas Festas e sempre que posso vou à uma Quermesse, mas para não deixarmos as tradições de lado, quem sabe não aproveitar o mês de Junho e incluir as Crianças nessa tradição tão Brasileira???
O mês de junho é marcado por fogueiras, danças, comidas típicas e muitas bandeirinhas em todo o país, apesar das peculiaridades e características próprias de cada região brasileira.
As comemorações se iniciam no dia 12/06, véspera do Dia de Santo Antônio e terminam no dia 29, dia de São Pedro.
O auge da festa acontece entre os dias 23 e 24, o Dia de São João propriamente dito.
As tradicionais festas juninas podem ser um charmoso tema de decoração para recepção de amigos ou comemoração de aniversários.

Selecionamos algumas dicas para você organizar uma festa junina.


Dicas para festas junina mais fina.
Para uma festa junina mais fina evite muitas cores e excessos, escolha três cores básicas e as utilize na decoração.
Cores mais sérias puxadas para o neutro e escuro como: azul, vinho e cinza, são cores usadas no artesanato country americano e a combinação fica bem chique.

Se conseguir encontrar xadrez com essas cores ficará muito adequado! Verde escuro, azul escuro e bege também são cores finas.
Quanto as mesas de doces, use temas de doces juninos mas de confecção mais primorosa e caprichada, isso com certeza acrescentará mais charme.
O mesmo com a música, se conseguir que algum profissional transforme musicas sertanejas e juninas em instrumental

COMO ORGANIZAR UMA FESTA JUNINA

1. Tema
2. Local, data e horário
3. Convite personalizado
4. Comidas e bebidas
5. Decoração do local
6. Colaboradores
7. Brincadeiras
8. Lembrancinhas
9. Trajes
10. Maquiagem
11. Música e Dança
.Opcional
- Barracas - estrutura
- Barracas de brincadeiras
- Mesas ou barracas de comidas e bebidas
- Fichas para as barracas
Local, Data e Horário
Decida o local. Se for alugar um espaço, atenção aos itens:
- valor do aluguel,
- necessidade de uma área coberta,
- banheiros,
- segurança,
- localização.

Para seguir a tradição, o arraial pode ser próximo aos dias dos santos homenageados:
13 de junho (Santo Antônio), 24 de junho (São João) e 29 de junho (São Pedro).
É recomendável adequar o horário à faixa etária dos participantes.
Por exemplo: para crianças pequenas, festas entre 11h e 17h; adolescentes e adultos, das 15h às 21h.
Convite



Você pode e estipular um valor ao convite, se for organizar uma festa beneficente
ou uma forma de adquirir recursos para o evento.
Se for estipular valor para o convite é importante a existência de fichas para as brincadeiras e comidas...


Fichas veja dicas importantes

• Faça o cálculo dos custos antes de fixar o valor das fichas. O valor deverá cobrir as despesas;
• Por toda a festa devem ser espalhados os caixas que vendem tais fichas.
• Venda as fichas em "pacotes" de R$5,00 (com 5 fichas de R$1,00)
• Mantenha nos caixas calculadora e bastante troco para evitar filas.
• Cada barraca de alimento ou jogos deve ter uma caixa lacrada, tipo "cofrinho", para receber as fichas dos convidados. Assim será possível, ao final da festa, conferir o movimento de cada barraca.
Idéias de convite:
você pode fazer uma mini espiga de milho de biscuit nela você amarra uma fitinha de cetim com um bilhetinho com a data, local e horário. Nao pode esquecer de colocar que tem que ir de traje típico...
Ou também um convite tradicional com algumas bandeirinhas desejadas e uma fogueira.



Comidas e Bebidas típicas

Monte um cardápio variado com comidas típicas.
Distribua pratos individuais, acondicionados em saquinhos de papel e potinhos descartáveis.
Como o mês de junho é a época da colheita do milho, grande parte dos doces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos deste alimento.



Salgados

• amendoim torrado,
• biscoito de polvilho,
• cachorro quente,
• churrasco (bovino, frango e lingüiça),
• cuzcuz,
• fogazza,
• milho cozido,
• milho verde,
• pastel,
• pinhão,
• pipoca,
• pratos regionais
• salgadinhos diversos,
• sanduiches diversos..



Doces
  • amendoim doce,
  • arroz doce,
  • algodão doce,
  • batata doce,
  • bolo de milho,
  • bolo de fubá,
  • bolo de amendoim,
  • bolo de pinhão,
  • Bolo de aipim (mandioca),
  • bombocado,
  • broa de fubá,
  • canjica,
  • churros,
  • cural,
  • cocada,
  • doce de batata doce,
  • doce de abóbora,
  • doce de abóbora com côco,
  • Doces de beterraba,
  • doce de leite,
  • espetinhos de fruta com chocolate,
  • gibi (doce de amendoim)
  • maçã do amor,
  • pamonha,
  • paçoça,
  • pé-de-moleque


Bebidas

• água,
• cerveja,
• chocolate quente,
• quentão,
• suco,
• vinho quente,
• refrigerante,


Bolo: - O bolo pode ser bolo gelado embrulhado e os pacotinhos embrulhados em palha de milho (parecendo paponhas) colocados dentro de um enorme chapéu de palha sobre a mesa onde deverão ter pratinhos de cerâmica rústica (casa de produtos religiosos de umbanda)
Em copinhos de cerâmica, sirva suco de uva ou outro suco, para crianças, e para os adultos, quentão e vinho quente.
Não esquecer:
- Sirva os alimentos acondicionados em guardanapos e/ou pratinhos descartáveis;
- Gelo para as bebidas
- Os alimentos expostos devem ser cobertos com tela;
- Os colaboradores das barracas de alimentos e bebidas devem usar luvas e touca de cabelo descartável;





O espaço deve ser bem decorado.

- Coloque muitas bandeirinhas e cartazes com a história dos santos da Festa Junina.
- distribuir pelo local algumas faixas de identificação para orientar os convidados:
- banheiros, - entrada, - caixa, no topo das barracas ou mesas deve haver a identificação,
Confira agora algumas dicas para você enfeitar o local.



Para sua casa se transforme em um verdadeiro arraial, siga algumas dicas:

- Decore a sala com faixas largas de chita sobre. O colorido dará um ar gracioso ao local;
- A mesa pode ser decorada com a mesma padronagem da chita. Forre a mesa com um retalho de juta e por cima coloque pedaços de chita espalhados;
- Coloque também porta-retratos com imagens de São Pedro, São João e Santo Antônio espalhados;
- Você pode substituir os quadros que tiver na sua parede por chapéus de palha;
- Decore as guloseimas com um toque de carinho: enfeite os potinhos de curau com um palito de dente decorado com uma bandeirinha presa ao alto;
- Não se esqueça, é claro, de pendurar as tradicionais bandeirinhas.

Decorando a Mesa
Dica 1

- A mesa deve ser de preferência de madeira.
- Decore a mesa com folhas de bananeira (as folhas devem ser cortadas no tamanho da altura da mesa e afixadas com tachinhas).
- Use toalha xadrez.
- A "saia", basta cobrir o tampo com juta (tecido semelhante ao de saca de café) ou uma toalha de mesa xadrez, ou uma peça em que predomine a cor vermelha.
Obs.: - Se tiver dificuldade em conseguir folhas de bananeiras, faça a saia da mesa em papel crepom colorido.

Dica 2

- A mesa deve ser de preferência de madeira.
- 1º montar o suporte para os babados. Para isso, você deve fazer uma saia de papel-jornal.
Em seguida, corte o rolo de papel crepom ao meio e o desenrole.
Faça preguinhas no papel crepom (quantos menores, mais franzido fica) e vá fixando com o auxílio de fita dupla face.
- Depois de contornar toda a mesa, comece o outro babado, tendo como suporte o papel jornal.
A quantidade de babados será definida pela altura da mesa.
- No tampo, use juta cru e faça o acabamento com fitas de tafetá coloridas. Se usar apenas uma cor de papel crepom, incremente o babado com bandeirinhas de São João.
Obs.:
- Você pode subistituira palha por papel crepon.

Dica 3
- mesas decoradas com toalha xadrez e chita,

Dica 4
- Outra alternativa para forrar a mesa é o tule" Você pode alugar uma saia franzida ou produzi-la com a ajuda de uma máquina de costura. Ou forrar a mesa com o tule sem franzir na máguina.
- O tampo pode ser de juta colorida e desfiada.
- Decore a mesa com bonecos de pano caraterizados como jequinhas.
- Você pode distribuí-los entre as cestas de vime e panelas de pedra.

Dica 5

- Toalha para mesa quadriculada.
Acho legal espalhar na mesa pipocas, colocar bandeirinhas coloridas com o nome dos pratos.
As bandeirinhas e Balõezinhos servem para enfeitar mesas, não só o teto.


Decorando o Local
• muitas bandeirinhas de varias cores
Compre folhas de papel de seda ou cartolina de diversas cores. Recorte bandeirinhas em formato triangular e cole-as em um fio de barbante. Prenda o barbante de um lado a outro da sala, da garagem ou do quintal. Faça várias fileiras de bandeiras, para dar um colorido especial à festa!
• muitos balões (enfeite) de varias cores e tamanhos,...
Faça balões de cartolina nas cores que você quiser é fácil e barato e fica bonito!
• lanternas coloridas,
• tradicional balão (enfeite) e S.joão e bandeiloras,
• decorar a festa com bambu e suas folhas,
• um espantalho seria muito legal,
• correntes de jornal ou papel colorido (corta o jornal em tiras, cola uma extremidade na outra, fazendo elos colando uns por dentro dos outros) depois pinte,...
• espigas de milho perto da barraca de milho cozido ou perto dos pratos de milho na mesa,..
• nas paredes pencas de milho seco entremeados de flores do campo (margaridas, girassóis etc) e alguns ramos de bambu,
• folhas de coqueiro ou casco do coco na barraca de cocada,
- cestos com milho dentro,
• pendure alguns chapéus de palha na parede, bambu,
• uma opção legal é utilizar artesanato e reciclagem em sua festa, faça lanternas de garrafa pet, flores de filtro de café tingido com anilina colorida...
• Faça muita pipoca e passe-as por um fio de linha 10 (a de pipa), e faça colares e amarre de ponta a ponta no lugar das bandeirinhas.
• você pode colocar a famosa pinhata, um balão gigante, ou uma jarro de cerâmica e enchê-lo de balas, bombons, confetes e outras guloseimas, e amarrá-lo na arvore e vendar os olhos de quem quiser participar e de três chances da pessoa acertá-lo c/ um pau, é super divertido as criançadas amam.



• Fogueira

Faça uma "fogueira"Ex. 1 - fogueira simples pode ser de mentira feita com papel celofane ou laminado,Ex. 2 - fogueira simples pode ser de mentira feita com papel laminado nas cores vermelha e amarela. Amasse o papel de forma a imitar as labaredas.
As folhas amarelas devem ficar na parte de dentro, para imitar a chama mais forte do fogo.
Junte uns gravetos de madeira para colocar em volta e monte a fogueira.
Ex. 3 - usando uma lâmpada com base de abajour ou prenda um suporte para lâmpada (benjamim) num quadrado de madeira ligue numa extensão e entre as toras de madeira coloque papel celofane para fazer o "fogo". Escolha um lugar para esta fogueira.



Para servir as comidas e bebidas

Para servir os doces e salgados, você pode usar :
• bandeijas de palha de milho (forrados com papel celofane incolor),
• cestas de vimes
• chapéus de palha desfiados,
• cumbuquinhas de barro,
• gamelas
• peneiras de taquara forradas com guardanapos
•tigelinhas de barro,
• tábuas redondas de madeira,



Para os pratos quentes e bebida devem ser acondicionados em :

• panelas de barro,
• jarros de barro,
• caldeirões,
• panelas de ferro,
• panelas de ágata,
• tigelas de ágata
O porta-talher pode ser de vime e os guardanapos de papel xadrez ou com temas de festa junina, combinando com a cor da toalha.
- Para servir, use concha e colheres de madeira.
- Como acabamento, coloque palha no espaço entre os pratos e bonecas com vestimenta de festa junina.
- E se quiser incrementar, use peças antigas como máquina de costura, ferro de passar à brasa e caldeirões, etc.


Obs.:
- As peças de Agatá proporcionam um ar rústico, são ideais para servir pequenas porções e conservam a temperatura do alimento.
- Você pode usar tigelinhas ou cumbuquinhas brancas ou transparentes, são facilmente encontradas em casas de material de festa.
- (Para que o doce fique bem à mostra, é necessário colocar um enximento que ocupe metade da altura do chapéu.)

Onde conseguir as peças


Se você quer fazer bonito, mas não pretende gastar dinheiro com utensílios e peças para decorar a mesa, alugue-as.
Há buffets que prestam este tipo de serviço.



BRINCADEIRAS

Quadrilha:

Nas festas juninas, a música que geralmente é tocada durante a quadrilha é "Festa na roça", de Mario Zan.
Mas, se você não tiver essa música disponível, coloque outra que seja bem tradicional e vá coordenando a dança.
Não precisa ensaiar, é tudo no improviso!


Correio elegante:

Usando cartolina de diversas cores, faça pequenos cartões em formato de coração, de balão, redondo ou quadrado e coloque-os em uma cestinha.
As próprias crianças poderão escrever mensagens para os amigos, mas sem se identificar.
Um adulto ou uma criança entrega a mensagem para o destinatário, que deverá adivinhar quem a escreveu e poderá mandar um recado de volta.

Cadeia

Brincadeira da cadeia, em que pagamos para prender nossos amigos ou as pessoas que estão atrapalhando a nossa diversão.
Você paga e os policiais prendem quem está te incomodando.
É você quem decide por quanto tempo o sujeito fica preso.

Pular a fogueira:

Chame as crianças para pular a fogueira de papel laminado.

Corrida de três pés

Cada jogador amarra a sua perna esquerda à perna direita do parceiro e, assim, os dois pulam até a linha de chegada. Ganha a dupla que chegar antes.

Bingo

Compre um jogo de bingo em qualquer loja de brinquedo e coordene a brincadeira.
O vencedor leva para casa uma prenda.

Tiro ao alvo

Tem de todo tipo: latas empilhadas, boca do palhaço, alvo redondo...
Obviamente, quem conseguir acertar o alvo leva o prêmio.

Corrida com ovo na colher

Cada participante corre equilibrando um ovo cozido - pode ser um tomate ou uma batata
- numa colher até chegar à linha de chegada.


Boca do palhaço

Desenhe um palhaço em uma cartolina com uma boca bem grande e aberta.
Recorte com estilete o espaço da boca - deixando os lábios. As crianças deverão acertas bolinhas pequenas
- pode ser de tênis ou frescobol - na boca do palhaço.

Jogo das argolas

Coloque várias garrafas em um dos cantos da sala para que as crianças tentem acertar argolas.
Delimite a distância com que as crianças deverão fazer as tentativas passando fita crepe no chão.
Use a fita crepe para fixar as garrafas - de plástico, para não haver acidentes -no chão.
Dê preferência às garrafas de 700ml, que são menores e cubra-as com papel colorido por fora.
Cada garrafa corresponde a um brinde diferente. O jogador escolhe o presente que quer ganhar e tenta acertar uma argola no pino correspondente.

Pescaria

Pode ser na água ou na areia. Os pescadores têm que conseguir pegar os peixes,
que correspondem a diferentes brindes.
Recorte peixinhos e outros animais marinhos em uma cartolina.
Com fita adesiva, cole um clipe em cada bichinho e finque-os em uma bacia com areia.
Para fazer a varinha, amarre um barbante na ponta de um graveto de madeira.
Na outra extremidade do barbante, amarre um clipe, com a lateral aberta, de modo a parecer com um anzol.

Mimica

Utilize um chapéu de palha para colocar vários papéis dobrados com as letras de músicas Juninas.
Seu convidado deve retirar com palitinhos de aperitivos um dos papéis.
Somente com o uso de mímica, ele deve passar ao grupo a música "pescada".

Outras brincadeiras:

Gincanas, toca do carrinho, vira lata, canaleta, corrida de saco, pau de sebo e bingo, casamento caipira roleta...


Brinquedos:

Touro mecânico, bingo, Pau de Sebo, Cadeia, Tobogã, Banho na Boneca, Martelo de Força...


Para as prendas:

Compre prendas atrativas ou de baixo custo ou, se possível, faça uma arrecadação de doações dentro da comunidade.

Veja algumas sugestões:
• Material escolar: cadernos, lápis de cor, canetinhas, lapiseiras, massa de modelar.
• Brinquedos: bolas de diversos tamanhos, pelúcias, pequenos carrinhos e bonecas.
• Utilidades domésticas: jogos de copos, pratos para bolo, conchas, espremedores,etc.
• Artesanato: caixas, porta-retratos e produtos feitos pelos artesãos da região.
• Delícias: bombons, trufas, tortas e bolos inteiros, feitos pelas quituteiras locais.



Lembrancinhas

Um gesto simpático para os convidados guardarem sua festa na memória é entregar lembrancinhas ao final.
Veja uma sugestão:
• faria um saquinho com varias guloseimas, todo mundo adora comer no dia seguinte... Pé-de-moleque, doce de batata, doce de abobora, pacoquinha, doce de leite...
• Decore uma caixa de sapatos com pipocas e chita. Dentro dela coloque vários papeizinhos coloridos com as simpatias, sortes e adivinhas. Ao deixar a festa, cada convidado escolhe um papel e guarda como lembrança de sua festa!


Trajes

Os trajes também são um elemento imprescindível em uma Festa Junina.
Para que todos entrem no clima da festa, é importante que venham caracterizados com trajes típicos.


Traje Masculino

• Calça jeans ou de sarja,
• Tênis ou bota,
• Camisa xadrez,
• Chapéu de palha,
• Lenço colorido,
• Retalhos costurados na camisa e na calça,
• Barba e bigode desenhados com lápis de olho.


Traje feminino

• Vestido estampado decorado com rendas e retalhos;
• Sapato ou sandália;
• Lenço, flores ou chapéu;
• Cabelos trançados;
• Batom e blush leves;
• Pintinhas nas bochechas feitas com lápis de olho

Maquiagem
Maquiagem caipira para meninas

Você vai precisar de pó, sombra, blush, batom, rímel e delineador.

• 1° você deve usar um pó para deixar o rosto bem lisinho.
• Capriche no blush, mas não exagere. Não está mais na moda fazer aquelas bolotas vermelhas e desproporcionais.
• A sombra é melhor contar com a ajuda de outra pessoa. Use uma cor que combine com seu vestido
• O delineador e rímel.
• As pintinhas dão o charme da maquiagem. Não esqueça de não exagerar, assim você ganha um ar fashion até mesmo como caipirinha.
• O batom, use um pincel, mas você pode usar batom comum mesmo. Capriche na voltinha do coração da boca.
• Os cabelos faça uma trancinha. Se seu cabelo é curto invente um penteado bacana usando gel.
• Com o chapéu na cabeça e um laço diferente, você está pronta para arrasar!




Maquiagem caipira para meninos

Você vai precisar de lápis e sombra ou carvão ou uma rolha queime um pouco ela.

• Engrosse as sobrancelhas usando um lápis de olho preto ou marrom.
• Os bigodes, definem sua imagem: mais bravo, moderno, romântico ou esperto.
• A barba, faça o modelo que achar que combine mais com você.
Dê uma olhada nas barbas que seus familiares usam.
Use uma esponjinha para espalhar a sombra.
• Que charme! Um dentinho. Use o mesmo lápis que usou para fazer as sombrancelhas.
• Pronto! Agora é só colocar a camisa xadrez, o lencinho no pescoço e ir dançar a quadrilha.



Algumas Receitas
Bolo de milho -
01 lata de milho verde;
01 pote de margarina ou manteiga pequeno;
04 ovos;
02 xícaras de açúcar;
02 xícaras de flocão de milho;
01 vidro pequeno de leite de coco;
01 pacote de 50 gramas de queijo parmesão ralado;
01 colher rasa de fermento;
01 xícara de leite.

Modo de fazer: bater todos os ingredientes no liquidificador e levar ao forno. Fatie o bolo e distribuia-o numa peneira coberta com uma toalhinha de bandeja, papel celofane, ou palhas de milho. Bom apetite!

As bebidas ficam a critério do gosto de cada um, mas o quentão e a cachaça são muito apreciados. A cachaça 'cravo e canela' , por exemplo, serve-se uma dose com uma colher de mel de abelha (de boa qualidade) e mexe-se com canela em pau.

O quentão é feito com
(está mais para Vinho Quente?)06 xícaras de água;
12 cravos;
01 pedaço de gengibre;
06 canelas em pau;
02 limões cortados em rodelas finas;
1/2 xícara de açúcar;
e 01 garrafa de vinho tinto (geralmente utiliza-se vinho de garrafão).

Modo de fazer: colocar a água com os cravos, o gengibre, a canela, o limão e o açúcar numa panela. Deixe levantar fervura e cozinhe por 30 minutos. Retire do fogo e deixe a panela tampada descansar por 01 hora. Coe, adicione o vinho e sirva quente, em canecas de ágata.

Casamento Caipira
http://www.marineusantana.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=525709
Padre: Boa noite senhores e senhoras.
Se aproximem os noivos para darmos início à cerimônia.

Noivo: Sirimõia é ua coisa qui iela num cuiessi, seu padi.

Mãe da Noiva: Laigui di cunvessa fiada seu bocó i agardessa a Deus te incrontado uã besta qui caiu na sua lábia , seu fiota.

Mãe do noivo: Era só u qui fartava in riba da terra. Arrepari mermo se meu fio Vardivino é do teu panu pa mode si trocar cum tu, amalera impombada.

Padre: Silêcio!!! Tenham calma. Precisamos acabar com a violência. O mundo só será melhor quando as famílias souberem viver a paz e o amor.

Pai da Noiva: Mi adiscuipi sua incelência, mar u siôr num é pai i num sabi di qui qualidade fica ur bofi du camarada qui vê sua fia mitida cum elemento dessa laia; i tê qui sirrí di denti iscangaiado cuma si tudo fosse paiz i amô.Só sabi quem comi du bucadu, seu padi.

Pai do Noivo: Arrepari quem fala!Quem vê diz qui é genti. Puvera Deus que meu fio num tivesse si acoloiado cum sua fia Ginuveva.

Noivo: Num si meta naum pai! A vida é minha. I ieu num queru ninguém meteno a cuié adonde num foi chamadu, adonde num lhi cabi.

Padre: Que modos são estes, rapaz! Respeite seu Pai.
E o senhor, seu Genaro, procure orientar seu filho para viver em harmonia com a esposa. Ela lhe será dada em matrimônio diante de Deus e merece ser tratada com respeito e jamais com violência.
Quanto às duas famílias, procurem fazer amizade para dar o bom exemplo aos seus filhos e aos netos que com a benção de Deus virão.

Mãe do noivo: Arriégua! U caba dá o fio de mão beijada a essa catrevaji i ainda pu riba í bajulá. Num digu qui fio fais a genti inguli fogo e arrotá brasa. A genti veve pus fio i purisso si vê na obrigação de passá pu maur pedaçu.

Mãe da noiva: Teu fio lava a iégua in si casá cum Ginuveva. Adondi iele ia dá di mão di ua muié mair mio?

Noivo: Mãi! Dona Juvelina! Acabi cum essa cunfusão. Só Deus fais ieu arredá da dicisão qui tumei, i mais ninguém.

Padrinho: Meu povu ! num boti issu pa modi render mais naum! Arrespeiti o padi i us cunvidadu.

Madrinha :Apalaça aí seu padi qui a noiva vai entrane.

(A noiva entra)

Mãe do Noivo: Cruz credu!!! Nunca mi passou na menti di tê qui ingulí ua dessa. Só Deus sabe i ieu sintu.

Padre: Valdevino, aceita Genoveva como sua legítima esposa?

Noivo: (olha para trás e diz : manera aí meu sôgu, o cabo du 38 tá me furanu u ispiaço)
Diz: Sim, seu padi, aceitu (diz baixinho: Sem querer, querendo)

Padre : E você Genoveva, aceita Valdevino como esposo na alegria e na tristeza, na saúde e na doença até a mortes lhes separe?

A Noiva: (toda sorridente) Sim siôr padi.Aceitu sim.
( disfarçada sopra ...que alívu !!! Até qui infim !!!)

O Noivo: (baixinho)Tu num presta mais ieu ti amo, disgraçada.

Padre: O Sacramento é indissolúvel. Quem pecou , não peque mais(olhando para Ginuveva). É preciso perdoar as faltas um do outro para viverem felizes. Cada um desejando fazer a felicidade do outro. Quem casa deve aceitar o cônjuge e sua família.

Noivo: isbarra aí, seu padi! Tá bom! Já basta! Nois qué agora é cumê da festa, si divistí, i adispois si arritirá e dizer:infim sóis.

Madrinha: Viva ur noivo!!! Paima pur nubente.!!!

Padrinhos :Puxa o foli, cumpadi!!! Arrasta u pé! Vumbora festejá o casóro.

Todos: Viva ur noivo !! Viva!!!

Com som em:
http://www.marineusantana.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=525709

Música e Dança

O ritmo típico das festas juninas é o forró. Dentre os compositores e cantores mais requisitados, destaca-se o pernambucano Luiz Gonzaga.
Para não faltar animação garimpe entre os amigos CDs de música sertaneja, forró, cantigas tradicionais de São João e os clássicos da sanfona.
Durante a festa, a música deve ser constante, mas não muito alta, para não atrapalhar as conversas e não incomodar.
Para as quadrilhas recomendamos as cantigas e forrós tradicionais.
Nos momentos sem quadrilhas, a festa fica animada com forrós, músicas caipiras e clássicos sertanejos.


Algumas músicas clássicas que não podem faltar:

Capelinha de melão, de João de Barros e Adalberto Ribeiro
Olha pro céu, meu amor, de José Fernandes e Luiz Gonzaga
Pula a fogueira, de João B. Filho
Cai cai balão (autor desconhecido)
Sonho de papel, de Carlos Braga e Alberto Ribeiro
Pedro, Antônio e João, de Benedito Lacerda e Oswaldo Santiago
Festa na roça, de Mario Zan


Agora sim, você está pronto para o grande arraial.

Boa festa!!!

Dicas para organizar uma quadrilha e a trilha sonora para festa junina!

Dicas para você organizar a quadrilha

Forme uma fila indiana de casais, com as meninas de braços dados com os meninos.
Depois, use palavras como as abaixo para indicar os passos das crianças.

1- "Anavantur", "Caminho da roça" ou "Caminho da festa"
Os pares seguem em fila indiana


2- "Anarriê"
Damas se separam dos cavalheiros, formando duas colunas. É importante ficar de frente para o seu par


3- "Balancê"
As crianças dançam no lugar

4- "Cavalheiros cumprimentam as damas"
Os meninos vão até as garotas, flexionam um dos joelhos e tiram o chapéu


5- "Damas cumprimentam os cavalheiros"
As meninas vão até os garotos, seguram as pontas da saia e flexionam ligeiramente as pernas

6- "Grande roda"
As crianças ficam de mãos dadas e giram em roda
7- "Damas ao centro"
As meninas saem da Grande Roda e formam outra dentro da roda dos meninos.

8- "Coroa de Rosas"
As duas rodas se misturam: os meninos (de mãos dadas) levantam os braços e passam por cima da cabeça das garotas. Depois, abaixam os braços e rodam juntos

9- "Coroa de espinhos"
O procedimento é igual ao acima, porém são as meninas que "coroam" os garotos

10- "Grande passeio"
As crianças saem da roda e voltam para a fila indiana, de braços dados com o par

11- "Olha a chuva"
As crianças dão meia-volta e continuam andando

12- "Já passou"
As crianças dão meia-volta e continuam andando

13- "Olha a cobra"
As crianças dão meia-volta e continuam andando

14- "É mentira"
As crianças dão meia-volta e continuam andando

15- "A ponte quebrou"
As crianças dão meia-volta e continuam andando

16- "Já consertou"
As crianças dão meia-volta e continuam andando

17- "Caracol"
Os pares de mãos dadas formam uma fila única e, seguindo as ordens do puxador, fazem curvas até formar um caracol
18- "Changê de damas" ou "Changê de Cavalheiros"
A menina ou o menino dá um passo a frente, trocando de par

19- "Olha o túnel"
O menino fica em frente da menina, de mãos dadas e braços levantados

20- "Preparar para o grande galope"
Um casal entra no túnel de mãos dadas. Assim que sair, deve fazer o túnel novamente.

21- "Baile geral"
Os casais dançam

22- "Vamos nos despedir"
Os pares saem de braços dados, acenando.

Prepare a seleção musical de sua festa junina
Toda festa exige uma trilha sonora!!! E é essencial para animar a festa.
As músicas típicas das festas juninas podem ser apenas cantadas ou também dançadas.
Até hoje muitas são compostas, especialmente pelos nordestinos, e formam o repertório do forró que se transformou em baile realizado não apenas no período junino.
Vai algumas dicas para você se divertir com a turminha e cantar bastante!!
Além do som da quadrilha, aposte no forró e nos clássicos sertanejos.
Cantores como Mário Zan e Luiz Gonzaga são clássicos, mas você também pode apostar nas músicas Milionário e José Rico, Chitãozinho e Xororó, Zezé de Camargo e Luciano, etc.
O ritmo típico é o forró. Na quadrilha a música mais tocada é "Festa na Roça" de Mário Zan.
Principais Músicas Juninas
1- Pula Fogueira
2- Balãozinho
3- Cai, cai balão
4- Sonho de Papel
5- Pedro, Antônio e João
6- Isto é lá com Santo Antônio
7- Festa de São João 8- Quadrilha e quentão
9- Chegou a hora da fogueira
10- Sobe meu balão
11- Noite de junho
12- São João na roça
13- Capelinha de São João
Algumas letras de Músicas Juninas


PULA A FOGUEIRA
autor: João B. Filho

Pula a fogueira Iaiá,
pula a fogueira Ioiô.
Cuidado para não se queimar.
Olha que a fogueira já queimou o meu amor.

Nesta noite de festança
todos caem na dança
alegrando o coração.
Foguetes, cantos e troca na cidade e na roça
em louvor a São João.

Nesta noite de folguedo
todos brincam sem medo
a soltar seu pistolão.
Morena flor do sertão, quero saber se tu és
dona do meu coração.


BALÃOZINHO
Venha cá, meu balãozinho.
Diga aonde você vai.
Vou subindo, vou pra longe,
vou pra casa dos meus pais.

Ah, ah, ah, mas que bobagem.
Nunca vi balão ter pai.
Fique quieto neste canto, e daí você não sai.

Toda mata pega fogo.
Passarinhos vão morrer.
Se cair em nossas matas, o que pode acontecer.
Já estou arrependido.
Quanto mal faz um balão.
Ficarei bem quietinho, amarrado num cordão.


PEDRO, ANTÔNIO E JOÃO
autor: Benedito Lacerda e Oswaldo Santiago
Com a filha de João
Antônio ia se casar,
mas Pedro fugiu com a noiva
na hora de ir pro altar.

A fogueira está queimando,
o balão está subindo,
Antônio estava chorando
e Pedro estava fugindo.

E no fim dessa história,
ao apagar-se a fogueira,
João consolava Antônio,
que caiu na bebedeira.

CAPELINHA DE MELÃO
autor: João de Barros e Adalberto Ribeiro
Capelinha de melão
é de São João.
É de cravo, é de rosa, é de manjericão.

São João está dormindo,
não me ouve não.
Acordai, acordai, acordai, João.

Atirei rosas pelo caminho.
A ventania veio e levou.
Tu me fizeste com seus espinhos uma coroa de flor.

SONHO DE PAPEL
autor: Carlos Braga e Alberto Ribeiro
O balão vai subindo, vem caindoa garoa.
O céu é tão lindo e a noite é tão boa.
São João, São João!
Acende a fogueira no meu coração.

Sonho de papel a girar na escuridão
soltei em seu louvor no sonho multicor.
Oh! Meu São João.

Meu balão azul foi subindo
devagar
O vento que soprou meu sonho carregou.
Nem vai mais voltar.

ISTO É LÁ COM SANTO ANTÔNIO
(Lamartine Babo)
Eu pedi numa oração
ao querido São João
que me desse um matrimônio.
São João disse que não,
São João disse que não,
isto é lá com Santo Antônio.

Implorei a São João
desse ao menos um cartão
que eu levasse a Santo Antônio.
São João ficou zangado.
São João só dá cartão
com direito a batizado.

São João não me atendendo
a São Pedro fui correndo.
No portão do paraíso
disse o velho num sorriso:
"Minha gente eu sou chaveiro,
nunca fui casamenteiro".


CAI, CAI, BALÃO
Cai, cai, balão.
Cai, cai, balão.
Aqui na minha mão.
Não vou lá, não vou lá,
não vou lá.
Tenho medo de apanhar.

CHEGOU A HORA DA FOGUEIRA
(Lamartine Babo)
Chegou a hora da fogueira.
É noite de São João.
O céu fica todo iluminado,
fica todo estrelado,
pintadinho de balão.
Pensando na cabocla a noite
também fica uma fogueira
dentro do meu coração.

Quando eu era pequenino,
de pé no chão,
recortava papel fino
pra fazer balão.
E o balão ia subindo
para o azul da imensidão.

Hoje em dia meu destino
não vive em paz.
O balão de papel fino
já não sobe mais.
O balão da ilusão
levou pedra e foi ao chão.


Passos da quadrilha
Anarriê e alevantú – são termos que significam recuar e avançar. Intercalam-se os passos com anarriê e alevantú.
1º Passeio dos namorados - os pares de braços dados, em fila desfilarão indo um par para o lado esquerdo e o outro para o lado direito. O grupo de casais que foram para o lado esquerdo fica lado a lado; o mesmo procedimento para os casais do lado direito.
2º Os cumprimentos – os grupos já estão formados e ficam um em frente ao outro, indo todos para o centro do salão se cumprimentam e retornam aos seus lugares.
3º O cumprimento das damas – os homens batem palmas, enquanto as mulheres vão até o meio dançando e segurando a saia. Cumprimentam sorrindo. Em seus lugares (retornam aos seus lugares, para ficarem ao lado dos cavalheiros).
4º O cumprimento de cavalheiros – os homens vão até o meio batendo os pés com as mãos para trás, depois tiram o chapéu, cumprimentando as damas e se curvam. Em seus lugares (retornam aos seus lugares colocando o chapéu)
5º O Galopê – de dois em dois cruzam-se os pares da esquerda e direita no meio do salão, e trocam de
lugares, sempre galopando.
Do 6º até o 11º item os passos são feitos em fila indiana!
6º Caminho da roça – cada dama fica na frente de seu cavalheiro, como fila indiana, havendo dama e cavalheiro, respectivamente.7º Olha a chuvvvaaa – as mãos de cada pessoa são entrelaçadas acima da própria cabeça.
8º Já passooouuu - os homens colocam os braços para trás e as mulheres seguram a saia.
9º Mariii rose - as damas levam as mãos para trás, por cima da cabeça e seguram as mãos do cavalheiro que está atrás dela; Rose mariiiiiii – o cavalheiro passa a frente da dama, ainda segurando suas mãos, invertendo as posições.
10º. Olha a cobraaa – todos pulam
11º Já matouuuuuu – param de pular e continuam andando
12º Preparar-se para a grande roda – todos dão as mãos
13º Grande roda – a roda já formada vai girando
14º Damas ao centro – as damas fazem uma roda por dentro da roda maior que permanecem os cavalheirosGIRANDOOOO
15º Preparar-se para a cestinha de rosas - damas ao lado direito de seus cavalheiros, ainda com as duas rodas formadas.
16º Cestinha de rosas, enlaçouuuuuu – os homens erguem os braços e ficam as duas rodas entrelaçadas.RODANDOOOOO
17º Grande roda – voltam à posição do item 13º, dando-se as mãos.
18º Cavalheiros ao centro
19º Preparar-se para a cestinha de cravos – os cavalheiros ficam a direita de seu par.
20ª Cestinha de cravos, enlaçouuuuuuuu – as mulheres erguem os braços e ficam as duas rodas entrelaçadas.
GIRANDOOOO
21ª Grande roda.
22ª Preparar para o caracol – a noiva começa a puxar a fila
23ª Olha o caracol - sem desfazer a roda, a noiva puxa a fila para o centro do salão, formando uma serpentina.
24ª Desmanchar o caracol – é desfeita a serpentina com a noiva retornando para o lugar inicial, formando-se a grande roda novamente.
25ª Passeio dos Namorados – os pares são formadose andam em fila. os pares de braços dados, em fila desfilarão indo um par para o lado esquerdo e o outro para o lado direito. O grupo de casais que foram para o lado esquerdo fica lado a lado; o mesmo procedimento para os casais do lado direito.
26ª Preparar-se para o túnel – todos se dão às mãos por cima da cabeça, formando um túnel.
27ª Olha o túnel – o primeiro casal entra no túnel e os outros vão seguindo até desfazer o túnel.
28ª Passeio dos namorados
29ª DESPEDIDA – os cavalheiros saem acenando com o chapéu; as damas acenando com a mão.
A partir daí todos estão liberados para dançar o forró.
Pronto, chegou na parte que todos apreciam (crei eu), mesmo que esperemos passar o mês de Junho e deixe de ter característica religiosa, fica a herança cultural e porque não o Folclore...
Não deixem de experimentar o Quentão, dispense a Pinga e a bebida é (na minha opinião), muito mais saboroso...
Tomem Chocolate quente... canjica, pipoca, pés de moleque e bolos... hummm - já bateu a fominha...
Vai os LINKs com vários sites e várias receitas (nem eu mesma sabia que haviam tantas)....
Boa "Quadrilha"...

Portal Terra:

Cozinha Bacaninha:

Livros de Receitas:

Rede Globo TVTem:

Cyber Cook:

Grupo PSP:

Mundo das Tribos:

Revista Manequim:

Ufa!!!

É link que num acaba mais!!!

"Até a vista pessoar!!!"

FLYbaby Rô
PS: Imagens retiradas do GOOGLE Imagens
FLYBaby


2 comentários:

Anna disse...

Você é maravilhosa, adorei seu post, super completo.
Vou salvar para um dia usar.
Beijos
Parabéns, você pesquisou mesmo.
Beijos
Obrigada pela palavras de força.

A Caixa de Pandora! disse...

QUE POST HEIN? EU ADORO FESTA JUNINA. VC É JORNALISTA? QUE PESQUISA BOA VC FEZ - ESTÁ COMPLETA.

SEMANA QUE VEM É A FESTA JULINA DO MEU FILHOTE - JÁ COMPREI ATÉ UM VESTIDO XADREZ - VOU A CARATER.

BOM DEPOIS APAREÇA - ACHO QUE VC JÁ FOI AO MEU BLOG UM TEMPO ATRÁS - CLIQUEI NOS SEGUIDORES E VIM PARAR AQUI - ADOREI

BEIJOS PRA VC

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Minha Estante

Roseli's bookshelf: read

O Mistério de Sittaford Bridget Jones's diary A Mão e a Luva Ressureição O Mistério dos Sete Relógios Unknown Book 12443059

More of Roseli's books »
Book recommendations, book reviews, quotes, book clubs, book trivia, book lists

Online